loggado
Carregando...

[Homevideo] O Voo, O Homem Mais Procurado do Mundo e O Quarteto

A coluna Homevideo está de volta, e desta vez trazendo informações e comentários sobre três impo...


A coluna Homevideo está de volta, e desta vez trazendo informações e comentários sobre três importantes lançamentos que chegaram às locadoras brasileiras nas últimas semanas. Então confira:

O Voo

Flight

A volta de Robert Zemeckis, consagrado por filmes como De Volta Para o Futuro e Forrest Gump, à direção de um filme live action chegou aos cinemas brasileiros em 08 de Fevereiro, conquistou duas indicações ao Oscar 2013 e agora chega às prateleiras das locadoras em Blu-ray e DVD. Denzel Washington vive o protagonista, um piloto de avião alcoólatra e com problemas com drogas, que vive intensamente entre os riscos e a responsabilidade da profissão, mas tudo mudará quando, com uma manobra arriscada, o piloto salva a maioria dos passageiros do voo que comanda durante o acidente pelo qual o avião passa com uma manobra arriscada e que exige muita da habilidade do comandante, mas as suspeitas da causa do acidente cairão sobre ele com a possibilidade de ele ter exercido a função alcoolizado, gerando investigações com contornos dramáticos. Mas o mais interessante de O Voo é que ele não preocupa-se em manter o foco no acidente em si, mas sim nos contornos que este gerou, especialmente em relação à evolução de seu protagonista devido ao conflito ocorrido para sua vida, e no que mudará suas decisões e comportamentos que seriam tomados por este antes e após o ocorrido, focando-se no acidente apenas no início do primeiro ato, quando a direção de Zemeckis monta uma cena de queda de avião com muita tensão e clima de urgência. Roteirizado por John Gattins, O Voo se divide entre algumas cenas de extrema intensidade e ousadia - marcadas essencialmente por sua memorável trilha sonora - e outras sequências de um drama intimista na crise do personagem, e talvez por isto seu clima seja estranhado por parte do público, que talvez veja esta retratação de profundidade como uma quebra de ritmo. Ainda assim, é impossível não reconhecer que aqui não acompanhamos uma obra sobre o acidente, mas sim um fantástico estudo de personagem - dependendo ainda da excelente performance de Washington - que rende um dos melhores filmes do ano até aqui, que além do drama citado, ainda conta com uma porção de cenas divertidas - ainda que ironicamente, em alguns casos. O cinéfilo certamente fica feliz por ter Zemeckis de volta.


O Homem Mais Procurado do Mundo

Seal Team Six: The Raid On Osama Bin Laden

Acredito que o pouco conhecido O Homem Mais Procurado do Mundo sequer tenha passado pelas salas brasileiras, mas agora ele já está aí, nas prateleiras das locadoras do país, e é difícil não comparar o filme com o excelente A Hora Mais Escura, também lançado neste ano e com a mesma temática. O longa dirigido por John Stockwell retrata a operação militar que teve como objetivo executar o terrorista Osama Bin Laden, desde os primeiros treinamentos desta até a execução em si, e é basicamente isto. Mas o que mais me interessou em A Hora Mais Escura foi o modo como o longa focava-se não no militarismo em si, mas sim em todas as questões políticas que a operação também envolvia, inclusive desfocando-se da visão patriota muitas vezes exercida por dramas militares americanos, já que apresenta uma dura crítica a algumas das decisões dos EUA. Já O Homem Mais Procurado do Mundo cai justamente no lugar comum de fazer uma abordagem patriota dos eventos mostrados, inclusive com a dramatização familiar dos soldados próximos de trabalhar na missão ou com alguns diálogos que tentam despolitizar a questão. O longa não é de todo ruim, pois sua direção até surpreende em uma sequência ou outra, mas nada além disso. Basicamente, ele pode até funcionar para aqueles que preferirem assistir um filme em que não necessitem de compreender muitas camadas políticas de um desfecho militar, e apenas ver as sequências de ataque, mas para todos os outros, eu recomendo que confiram o filme de Kathryn Bigelow.


O Quarteto

Quartet

Enquanto o longa abordado nos parágrafos anteriores marcava a volta de um grande diretor ao live action, este marca a estreia de um grande nome do Cinema na função de diretor: Dustin Hoffman, o grande ator cujo talento reconheço especialmente por conta de Rain Man. A história que ele escolheu para dirigir é interessante, a de um centro de repouso para idosos, mas um centro diferente, que recebe apenas reconhecidos músicos que, hoje aposentados da Arte e longe dos holofotes, buscam abrigo no local, onde poderão dividir suas experiências, mas quando os artistas se reúnem, como fazem todos os anos, para fazer um concerto que arrecada fundos para manter o local, conflitos surgirão a partir do convite de uma renomada artista recém chegada ao centro para participar deste, quando antigas histórias de seu passado juntamente a outros colegas que ali também vivem voltarão a rondar as memórias destes. Assim como ocorre com grande parte do movimento cinematográfico recente que busca retratar histórias da vida na idade avançada com experientes atores vivendo estas, O Quarteto também constrói uma abordagem que se situa entre a comédia e o drama, mas talvez seja este o principal problema do longa do qual tratamos, pois O Quarteto tem sérios problemas de foco em sua abordagem, já que se durante o primeiro ato constrói uma comédia quase adolescente com a rotina de seus personagens, desenvolve um drama mais intenso somente a partir da chegada da citada personagem que mudará esta situação. E talvez isto se decorra justamente pela falta de experiência de Hoffman na função, já que caberia neste caso ao diretor estabelecer melhor a abordagem da obra de sua autoria. Ainda que você presencie um bocado de clichês pelo caminho que se segue, vale a pena conferir O Quarteto não somente por conhecer o primeiro trabalho de Hoffman na direção, mas também pelo significado da música - em todas as idades - notavelmente inserido nesta trama que conta com uma porção de boas atuações para viver seus poucos profundos personagens, entre estas as de Maggie Smith (Downton Abbey), Billy Connolly (Desventuras em Série) Tom Courtenay (Um Golpe Perfeito) no longa que teve breve passagem nos cinemas brasileiros em Março, e agora já poderá ser conferido em Blu-ray ou DVD.


Outros lançamentos em homevideo do mês que já ganharam textos no LoGGado quando em cartaz:

Homevideo 2458726121165405000

Postar um comentário Comentários Disqus

Página inicial item