loggado
Carregando...

[Review] The Good Wife 5x21 - The One Percent

A um passo do fim. 


A um passo do fim. 

The Good Wife está encoberta por uma névoa de mistério e ansiedade, os roteiristas não se pronunciam, os atores pararam de falar com a imprensa e ninguém mais diz um pio sobre o que está por vir. A questão é que chegamos ao final da temporada, arcos estão se fechando, e eu ainda não sei em que direção estamos indo. É que tanta coisa aconteceu nos últimos meses, tantas mesas foram viradas, que fica difícil prever o que está por vir. E não é que eu não goste de surpresas, eu as amo, porém eu estou com a impressão que o roteiro não sabe mais para onde ir.

As intrigas continuam na L.G e tudo me leva a crer que haverá um grande embate entre a firma e a F/A no futuro. O personagem do Michael J. Fox, Louis Canning, está apagado, e muito provavelmente vai deixar a série no próximo episódio, mas se tem uma coisa que eu tenho certeza é de que ele está tramando alguma coisa grande e que vai ser o grande cliffhanger da temporada. A Diane, que sempre foi uma personagem feminina muita forte na série, está dando a impressão que não consegue mais manter as rédeas da empresa, e não somente para os clientes, mas para os telespectadores também. Ela precisa urgentemente de um plano de resgate. É interessante analisar a Diane, porque ela sai de um pedestal (indicada a vaga na suprema corte e casada) ao chão (perder o melhor amigo e estar perdendo a própria empresa). Mas aqui vai um pensamento: vocês já imaginaram se a Diane sai de vez da L.G e se junta a F/A?

Quero também deixar registrada a minha felicidade pela volta dos holofotes ao nosso caro amigo Eli. O personagem é brilhantemente interpretado pelo ator Alan Cumming, mas foi deixado de lado na última temporada, afinal de contas não existe mais eleição, logo ele não consegue fazer o que fazia de melhor, manipular as estatísticas e maquiar os podres dos candidatos.

Porém, esse episódio, e a série como um todo, tem um problema gritante, e ele responde pelo nome de Peter. Esse homem é um encosto que já devia ter saído da série quatro anos atrás, um personagem tão absurdamente unidimensional, uma verdadeira tábua sentimental, um personagem que sempre atrasou a Alicia, sempre a jogando para trás quando ela ousava seguir em frente. Eu não faço a mínima ideia do porquê que este homem continua na série mesmo quando ninguém ainda gosta desse sujeito, só faz merda atrás de merda, e o que mais me deixa indignado é o tanto de tempo de tela que esse cara recebe. A única razão de ele existir, para mim, é o Eli gerenciando sua campanha, mais nada.

O caso jurídico da semana foi bem divertido e trabalhado. O roteiro colaborou com excelentes diálogos entre os personagens e aquele humor característico da série. Como o próprio nome do episódio diz, o caso trata do 1% de gente que recebem trilhões de milhões de vezes mais do que eu e você. Foi bem engraçado acompanhar a Alicia resolvendo as burradas do cliente, eu bem que queria poder arriscar 3,5 bilhões ao meu bel prazer, que só conseguia piorar a própria situação. Porém, divertido mesmo foi ela confundindo os entrevistadores e eles a fazendo parecer de racista.

Observações:

- Não gostei do Peter não querer endossar o Finn. Vai fazer cagada, sim ou com certeza?

- Peter querendo pegar a interna. Aonde mesmo que eu já ouvi essa história?

The Good Wife 730294724513056699

Postar um comentário Comentários Disqus

Página inicial item