loggado
Carregando...

[Falando Sobre...] Penny Dreadful: A Primeira Temporada

Um convite ao verdadeiro horror gótico.


Um convite ao verdadeiro horror gótico.

As criaturas clássicas que povoam as histórias de terror mais antigas são tão míticas e arraigadas no imaginário popular, que incluir demônios, bruxas, vampiros, lobisomens e afins numa narrativa do gênero dificilmente soa cliché. O horror permite liberdades fantásticas que fascinam, impressionam e, goste você ou não, deixam sua marca com facilidade justo por evocar nossos temores mais bobos que não por coincidência, quase sempre estão ligados aos seres fantásticos que protagonizam estas narrativas.

Na Inglaterra do século 19, o horror como literatura se popularizou graças aos chamados penny dreadfuls, um tipo de publicação barata – cada história custava um penny (um centavo antigo) – de contos fantásticos que quase sempre giravam em torno de lendas urbanas locais e criminosos famosos, só que com uma pitada de sobrenatural. Juntem então esses velhos contos ingleses à mente de John Logan (apenas o cara por detrás de 007: Operação Skyfall, Rango e A Invenção de Hugo Cabret), a produção de Sam Mendes (Beleza Americana), diretores como J. A. Bayona (O Orfanato e O Impossível) e um elenco poderoso (de Eva Green a Timothy Dalton), que o resultado não poderia ser diferente: uma série adulta, provocante e assustadora que tira de um universo fantástico conhecido, um sóbrio exemplar de horror da melhor qualidade. Esta é Penny Dreadful, meus caros.

No ano de 1891, o explorador britânico Sir Malcolm Murray (Dalton) com a ajuda da misteriosa Vanessa Ives (Green), começa a recrutar um seleto grupo para empreender uma busca pela sua filha desaparecida, Mina Harker (Olivia Llewellyn). Dentre os escolhidos estão o pistoleiro Ethan Chandler (Josh Hartnett) e o jovem Victor Frankenstein (Harry Treadaway), que guardam em comum um distinto passado sombrio. Não demora muito para que Ethan e Victor notem que a busca de Sir Malcolm envolve um ticket de passagem só de ida para um mundo escondido nos becos de uma Londres vitoriana, mais assustadora do que já aparenta ser.

O diferencial em Penny Dreadful é que o roteiro de John Logan não é expositivo, nem subestima o expectador que, mesmo conhecendo muitos dos personagens da história, tem de esperar o passado dos mesmos ser contado aos moldes da trama da série. É assim que cliffhangers como a impactante aparição da primeira criatura de Frankenstein (Rory Kinnear) no episódio Séance tornam-se ainda mais viscerais do que já são. E por falar no monstro, é com a sua storyline, por exemplo, que temos o inspirado núcleo do teatro Grand Guignol. Lá as encenações dos penny dreadfuls sob o comando do ator Vincent Brand (Alun Armstrong) surgem como um charmoso exercício de metalinguagem que emociona de verdade (o conto do lobisomem apresentado no episódio Demimonde é o melhor exemplo do brilhante resultado).

Que a vida não separe o que a morte pode unir.” – Adonaies (Shelley)

Além de Frankenstein, nomes como Dorian Gray (Reeve Carney) e Abraham Van Helsing (David Warner) também aparecem em Penny Dreadful. O primeiro como uma reinterpretação curiosa do personagem criado pelo autor Oscar Wilde, já o segundo servindo como uma importante fonte de explicações sobre as criaturas sedentas por sangue que estão envolvidas no desaparecimento de Mina. Vale dizer que o personagem de Dorian Gray também é utilizado por Logan como uma metáfora sobre o despertar sexual de mais de um personagem dentro da história, e os resultados dessas descobertas levam a trama para o seu lado mais sombrio e assustador: a maldição que cerca Vanessa Ives.

Logo, não é surpresa para ninguém que a personagem de Eva Green rouba a cena ao construir uma mulher atormentada pela culpa e que se vê possuída por uma antiga entidade egípcia, a partir do momento em que abre mão de sua inocência por inveja da melhor amiga. Green entrega uma das melhores atuações do ano na TV americana com sua Vanessa Ives, e momentos como o macabro desfecho na sessão espírita ou mesmo o desesperador despertar do demônio no episódio Possession são fontes de pesadelos certeiras.

Com tantas histórias e personagens, é de aplaudir de pé a capacidade que Penny Dreadful tem de manter o seu universo coeso e sempre instigante. Até momentos como o trágico romance de Ethan com Brona (Billie Piper) e o desejo inexplicável de Sir Malcolm em voltar para a África, acabam importando para o desenvolvimento do arco desse primeiro ano. Da mesma forma, o planejamento que cerca todo o drama de Vanessa é peça chave para o fim da busca por Mina e para os acanhados, porém promissores, ganchos deixados pela season finale.

Renovada e seguindo como forte candidata às futuras premiações no próximo ano, Penny Dreadful é mais uma excelente surpresa entre as novas séries de 2014. Uma inventiva e inspirada novela de horrores que faz jus ao legado gótico de nomes como Mary Shelley e Edgar Allan Poe. Um presente bem-vindo para os apreciadores do gênero e um chamado genuíno para os iniciantes.
Reviews 8793632461106232913

Postar um comentário Comentários Disqus

Página inicial item