loggado
Carregando...

[Top 10] Cenas Marcantes de Sons of Anarchy


Há seis anos, em setembro de 2008, começava Sons of Anarchy. Foram sete temporadas, 92 episódios e a certeza de que uma das séries mais poderosas da história da TV americana estava acontecendo diante dos nossos olhos. Uma tragédia shakespeariana inspirada livremente em Hamlet, só que trocando as intrigas palacianas pelo ritmo da alta octanagem de um clube de motociclistas numa pequena cidade da Califórnia. Era a genialidade do showrunner Kurt Sutter (The Shield) despontando mais uma vez.

Nossa equipe de fãs devotos do clube criado por John Teller preparou um TOP especial com o que achamos ser os momentos mais marcantes e definitivos de toda a história da série. Para celebrar a despedida de Sons of Anarchy, nada melhor do que acompanhar uma recapitulação mais do que merecida com a ajuda dos nossos parceiros. O Grim Reaper estará andando pela última vez nas ruas de Charming, mas para sempre nas nossas lembranças.


OBS.1: A lista abaixo está disposta em ordem temporal;

OBS.2: Se você ainda está em maratona de Sons of Anarchy e não pretende saber antecipadamente sobre acontecimentos importantíssimos da atração, alertamos que este post contém imagens e revelações que podem prejudicar sua experiência com a série. Se não quiser correr o risco, não prossiga.


Gemma faz revelações sobre o ataque que sofreu
(2x10 - Balm)


Já no seu segundo ano, Sons of Anarchy atingiu um nível de sobriedade dramática que poucas vezes se viu numa série relativamente nova. Toda a trama envolvendo o grupo de nazistas comandados pelo detestável Ethan Zobelle fez uma das maiores vítimas ainda no começo da temporada: a matriarca da família Teller. Gemma escondeu o segredo sobre o seu estupro o quanto pôde, mas num momento crucial revelou para o filho e para o marido o porquê de ter estado tão distante e inquieta.

Não só a expressão da atriz Katey Sagal (premiada merecidamente aqui) comoveu, como conseguiu tirar um olhar de choque do implacável Clay (Ron Perlman), algo nunca visto antes. Toda a construção do momento foi de uma dramaticidade ímpar. Clay e Jax deixaram as diferenças de lado e uma feroz retaliação teve início. O clube sendo uma família defendendo o seu maior pilar. Uma trama recorrente nos anos seguintes da série.




Jax decide "desistir" de Abel
(3x11 - Bainne)


Escolher uma "cena marcante" para qualquer série com mais de uma temporada é um trabalho um tanto espinhoso. Por isso prefiro pensar que o momento que destaco a seguir não é o "melhor", mas pelo menos, um dos mais importantes de Sons of Anarchy.

No desfecho do arco que mostrava Jax e o SAMCRO indo até a Irlanda resgatar o pequeno Abel, há uma das mais interessantes provas de que Kurt Sutter sempre soube exatamente o destino de seus personagens. Ao ver o bebê sendo tão bem cuidado por uma família adotiva, Jax decide que o melhor é deixá-lo ali, já que sabe o que a influência do clube poderia trazer para o filho. Claro que logo depois ele acaba recuperando o garoto, até porque a trama mostra que os pais postiços é que têm um destino ruim, quase que estabelecendo que a família Teller tem como dom acabar com a vida de qualquer um. Mas, quando a série segue, vemos que Jax tinha mesmo razão quando pensou em abandonar o filho. Os caminhos que os personagens acabam traçando indicam que não tem como a história dessa família acabar bem.




O destino final de June Stahl
(3x13 - NS)


Os inimigos do SAMCRO, nos sete anos de Sons of Anarchy, foram muitos, mas ninguém conseguiu se equiparar à manipuladora June Stahl. A agente que quase pôs um fim no clube e foi responsável pela primeira morte impactante da história da série (o penoso fim de Donna), fazia acordo até com o demônio para conseguir o que queria, deixando Jax, Clay e até mesmo Gemma comendo poeira com seus mind games.

Foi num dos clássicos planos de Jax, lá na espetacular season finale da terceira temporada, que Stahl finalmente pagou por todos os seus crimes. Sentada na mesma posição em que Donna esteve quando foi morta por engano, a agente até implorou por misericórdia, mas Opie pôde, enfim, vingar a morte da amada no maior estilo "olho por olho". Sim, o trabalho da saudosa atriz Ally Walker fez falta nos anos seguintes, só que outros nomes surgiram para fazer frente à ausência de June Stahl... Com um impacto semelhante, mas não com a mesma simpatia maquiavélica.




Linc Potter e a verdade sobre heróis e vilões
(4x14 - To Be Act 2)


Quando fui convidado para escrever sobre minha cena favorita da série, e que fosse marcante, não pensei duas vezes, imediatamente me veio à cabeça: 4ª temporada. Não uma cena em específico, mas a temporada completa (minha preferida até hoje) e com ela o personagem que mais gosto: Linc Potter. Um procurador do estado que tem uma moral inquebrável e que em duas cenas do episódio final do quarto ano define isso com duas das melhores atitudes.

Focando na primeira delas, após receber a notícia de que toda sua investigação não tem voga porque os agentes infiltrados do FBI fizeram um acordo com SAMCRO, ele entrega seus documentos de investigação para o xerife Eli e ao ser questionado responde: "Because... The Bad Guys won today, Sheriff. And they may not know it yet, but Juice and the MC are in the losing end, just like us". Ora, quer uma fala mais impactante e poderosa do que essa? Apocalíptica e realista refletindo sobre o que seria realmente vencer e demonstrando que as vitórias de curto prazo do MC são apenas caminhos mais rápidos para o fim. Se essa cena não resume seu amor pela série, com certeza não só resume como define o meu.




A morte de Otto Delaney
(6x04 - Wolfsangel)

 
Quando se pensa em Sons of Anarchy logo se pensa em violência e agressividade orquestradas de forma brilhante e genial. Assim, foi essencialmente tal brilhantismo que guiou toda a obra-prima que foi a despedida de Otto Delaney, personagem interpretado pelo mestre Kurt Sutter. A sequência da sua morte, para mim, é uma das cenas mais impactantes e catárticas de todo o seriado, por vários motivos que tentarei destacar.

Primeiramente, a trilha sonora. Com todo o peso dramático e melancólico da interpretação dos Forest Rangers juntamente ao Chris Goss, a trilha conseguiu dar a devida cadência do espetacular adeus de Otto, personagem que já vinha de uma sequência de sofrimento, agonizando nas mãos de seu carrasco, brilhantemente interpretado por Donal Logue. Em segundo, a tal despedida foi totalmente catártica, libertadora e purificadora para Otto e para nós, espectadores (lembro-me de ter comemorado como se fosse um gol, ao ponto de levantar do sofá e ficar durante quase 5 minutos em êxtase total pela atitude e coragem do Kurt Sutter, enquanto personagem e enquanto ator!), mostrando mais uma vez que ele sempre foi o verdadeiro Man of Mayhem de SAMCRO.

Terceiro, porque foi provavelmente a única morte de alguém do clube que foi festejada, algo totalmente incomum, principalmente para nós que já vínhamos de vários funerais de pessoas queridas na série. Por último, como se não bastasse o Sutter obliterar um dos vilões mais odiados e temidos da série, ele precisou humilhar o cara, escrevendo aquele perturbador bilhete (poderia estar escrito "com amor, de um sociopata para outro"!), rasgando sua garganta como uma fera abatendo sua presa e saindo de peito aberto para receber sua redenção.

Kurt Sutter é mito.




O encontro de Jax e Tara - Parte 1
(6x13 - A Mother's Work)


Nos minutos iniciais da cena do reencontro do casal no parquinho (cenário tão propício para o contraste esperança versus morte da temporada), Tara colocou para fora aquilo que julgava ser sua despedida do homem para quem voltou anos atrás. Não existem palavras para traduzir o sentimento de suas lágrimas e fala, enquanto ela acreditava que o amor de sua vida seria também o fim dela. Tivemos um discurso misturado com pedidos de perdão, uma última tentativa de se justificar e pedir por sua vida. Jax, assistindo aquilo tudo calado e atônito, não deixou transparecer em um primeiro momento que não era nada daquilo que tinha em mente - recurso que só serviu para aumentar o desespero dela e o nosso. Finalmente, ele reage.

O final da cena, com os olhos surpresos de Tara, foi o segundo em que ela reencontrou naquele monstro tudo o que cria ter perdido. Jackson revelou-se: não um monstro, mas um homem despido aos pés de seu grande amor e único socorro. Aí, então, foi a vez de ele implorar pela própria vida ao pedir: "Save our boys. Please". Assim, considerando o roteiro (milimétrico) do Sutter para esta cena, a atuação de corpo e alma dos dois atores e o significado dela na série, ouso dizer que não há e nem haverá nada melhor nem momento mais crucial em Sons of Anarchy. Ali estava tudo o que importa. Tudo o que importava no começo. Tudo o que importou no decorrer da história. E tudo o que importará no final.




O encontro de Jax e Tara - Parte 2
(6x13 - A Mother's Work)


Quem não torceu para que tudo fosse um pesadelo, ou para que Tara juntasse forças para lutar contra um destino tão doloroso? A morte da personagem figura entre uma das cenas mais fortes da série, mas nada pode se comparar à dor e o desespero que surgiram como fogo no olhar incrédulo de Jax ao encontrar seu único amor, já sem vida, numa frieza digna das piores desgraças acontecidas em Sons of Anarchy.

Após uma sexta temporada em que Tara lutou para se afastar de Jax por amor a ele - ainda que do pior jeito possível - e por veneração a seus filhos, tudo "terminou" da maneira mais surpreendente possível: um Jax que, apesar de tudo, compreendeu todo o esforço de Tara e que resolve se entregar pelo bem de sua família. O que parecia ser a continuação mais certa para tudo que havia acontecido tomou rumos descompensados e, mais uma vez, o impulso e a falta de informação de Gemma desencadearam a maior tragédia já vista na série. Se com a morte de Opie foi embora junto a racionalidade de Jax, com a morte de Tara se foi o último resquício de paixão e sentimento que pudesse haver no nosso protagonista. Com um encontro tão brutal assim, nada mais seria como antes.




A revelação do assassino de Tara
(7x11 - Suits of Woe)


Foi doloroso saber a verdadeira identidade do assassino de Tara, enquanto Jax dava voltas e voltas por Charming, destruindo tudo e todos ao redor do clube a custo de nada. Sons of Anarchy sempre soube mexer com nosso psicológico quando o assunto era grandes revelações, e aqui não foi diferente. Na reta final da série, Charlie Hunnam deu ao seu Jax a cena mais catártica e emocionalmente forte do personagem. O diálogo em Stockton com Juice revelou que Gemma era a responsável pela morte de Tara e que a mesma mentiu o tempo todo, causando a onda de violência que se espalhou pela cidade.

A expressão de Hunnam e de Theo Rossi durante toda a conversa é daqueles momentos únicos que tornam Sons of Anarchy numa das maiores e mais ambiciosas coisas que a TV já produziu. Toda a dor contida que Juice carregou explodiu num misto de confissão e pedido de desculpas, que só não machucou mais que a incredulidade estampada no rosto de Jax. Cenas como esta farão muita falta.



A conversa entre Jax e Nero
(7x11 - Suits of Woe) 


Quando penso numa cena marcante dentre tantas na história de Sons of Anarchy, uma que quase sempre logo surge na mente é a que marca a morte de Opie. Não só pelo peso que aquela perda representou para o clube, mas sobretudo para Jax que, mais do que o amigo, perdeu naquele momento também o seu compasso moral dentre daquele universo tão sombrio.

Contudo, não é essa a cena que destacarei como minha escolha, mas sim uma bem recente que trouxe um dos momentos mais emocionalmente impactantes para mim dentro da trajetória de Sons. Falo, claro, daquela que praticamente fechou o antepenúltimo episódio da série: a conversa entre Jax e Nero na qual ambos discutem, mergulhados num tom que mescla choque e profunda decepção, a descoberta do papel de Gemma na violenta morte de Tara (e por consequência de toda a guerra iniciada desde então que vitimou Bobby e cia). Esta cena tem um peso dramático tão profundo e tão bem executado, que já nem acho exagero dizer que o trabalho de Charlie Hunnam como ator pode, quem sabe, passar a ser dividido entre o que fez antes dela e o que poderá fazer depois. Como espectador, senti a dor do Jax quando ele encara a verdade sobre sua mãe e chorei quando ele fala, com a voz embargada e levemente trêmula até, que apesar de tudo ainda amava aquela mulher porque ela era sua mãe. Ficar indiferente a algo assim? Impossível.




A Morte de Gemma Teller
(7x12 - Red Rose)


Um destino inevitável, é assim que podemos descrever o final de Gemma em Sons of Anarchy. No penúltimo episódio da série, já havíamos perdido dois grandes personagens pelas mãos de Jax (direta ou indiretamente): Juice - quem não sofreu junto? - e Unser, aquele que tentou de tudo até o fim para livrar seu amor platônico, Gemma, de seus crimes cometidos. E como se não bastasse estas duas grandes perdas, o pior desfecho ainda estaria por vir. O filho mataria sua mãe.

A indescritível cena inteira foi paralisante desde o início, quando Jax chega à antiga casa do avô e encontra Gemma pronta para sua crucificação. No final de tudo, a matriarca dos Teller apenas constatou aquilo que embasou todos os princípios que pontilharam sua personalidade e a de seu filho. "É isto que nós somos". Uma última prova de amor à Tara, que agora "descansa em paz". Uma última prova de vingança em nome de tudo que Gemma causou.




E para a gama de cenas marcantes de Sons of Anarchy, com qual outra você complementaria nosso TOP? O final da série com certeza terá momentos para um TOP inteiro só dele, mas, enquanto isso, vamos especulando tudo que está por vir! Boa series finale a todos!

Até a próxima!

P.S.: Agradecemos, em especial, aos nossos amigos que nos ajudaram na escolha das cenas de maneira tão brilhante, se disponibilizando a doar um pouco do seu tempo para falar sobre essa série que deixará saudades. Vocês são show!


Tops 2982671176336625751

Postar um comentário Comentários Disqus

Página inicial item