loggado
Carregando...

[Review] How to Get Away with Murder 1x10/11 - Hello Raskolnikov/Best Christmas Ever

" You call it crazy... I call it winning " - Proprietária da TV, Annalise.


"You call it crazy... I call it winning" - Proprietária da TV, Annalise.

Se você, assim como eu, estava com saudades da dose de samba semanal que é HTGAWMurder, pode se alegrar, pois Annalise e seus pupilos  voltaram em dois episódios deliciosos que reencaminham muito bem a história do ponto em que ficamos no início do hiatus

1x10 - Hello Raskolnikov

O episódio de retorno, intitulado Hello Raskolnikov, foi uma montanha russa de sentimentos pra mim. Pudemos acompanhar uma Annalise totalmente desconstruída, sem o auxílio dos flashforwards/flashbacks que nos guiaram pelos nove episódios iniciais.

O que mais gostei nesse primeiro episódio foi o clima de tensão instaurado desde o início. Temos Connor e Michaella surtando; Wes e Rebecca tentando manter o segredo sobre a morte de Sam; Laurel no meio termo, sendo útil e a mais sensata dentre todos e tomando as melhores decisões do grupo. O julgamento de Rebecca no caso da morte da estudante foi uma ótima forma de tratar de todas essas questões, pois vimos como Annalise trabalhou para livrar a moça e, consequentemente, incriminar seu marido Sam, que ela já sabia que estava morto.

Por falar nisso, foi sensacional ver os depoimentos dos Keating Five e de Annalise para a polícia com o auxílio dos flashbacks costurando tudo e mostrando como ela encontrou o corpo, como se envolveu no crime junto a Wes e como planejou sua defesa futura indo se encontrar com Nate para criar um álibi.

A série continua impecável em mostrar a dualidade de sua protagonista: se por um lado vemos uma mulher forte, segura, implacável e que faz o que for necessário para ganhar seus casos no tribunal, por outro vemos uma Annalise frágil, completamente desconstruída, sem maquiagem, peruca, chorando por se sentir só e ao mesmo tempo insegura. Essa dualidade foi muitíssimo bem exposta na melhor cena do episódio, a cena do banheiro, quando Annalise ouve duas mulheres a julgando por se voltar contra o marido desaparecido. Viola Davis é tão sensacional que conseguiu transmitir só com o olhar tudo o que nós queríamos dizer para as duas vagabundinhas mulheres: I don't care!

No fim, finalmente descobrimos que o bebê que Lila esperava realmente era de Sam, o que, juntando com todas as demais provas que inocentavam Rebecca do crime, acaba culminando em sua absolvição e no novo mote da busca por Sam, que é o novo e principal suspeito da morte da estudante. Além disso, tivemos uma cena maravilhosa em que Annalise confronta os Keating Five dizendo que sabia de tudo e que vai apoiá-los e ajudá-los a encobrir o assassinato, o que será dificultado pela irmã de Sam que chegou na cidade com todo o seu molejo e bitchness, que conferimos aqui embaixo na review do décimo primeiro episódio, que foi ainda melhor que esse.



1x11 - Best Christmas Ever


"People don't make sense."

O que dizer desse episódio que mal assisti mas já considero pacas? Só pela primeira sequência com Annalise emulando a Santana e tomando as bebidas todas do quarto de hotel, já dava pra perceber que o episódio seria bem diferente do habitual, e foi. A sacada de mostrar como foram as festas de fim de ano de todos os personagens principais da trama foi excelente, pois geralmente nessa época do ano as pessoas estão mais vulneráveis e tendem a cair em culpa, e foi exatamente isso que vimos, tanto no caso de tribunal, envolvendo uma mulher que decidiu denunciar o marido que mantinha duas jovens em cárcere no seu porão, quanto na vida dos personagens.

O caso da semana foi INCRÍVEL. Foram tantos paradoxos morais mostrados de forma tão sutil que foi realmente inesperado termos tido aquele final. Na primeira vez que a mulher que queria denunciar o marido apareceu eu tive certeza que ela era uma doida, mas a forma como o roteiro trabalhou essa loucura aliada aos momentos de sofrimento extremo que ela sofrera foi eficiente para me dar uma amolecida (não deve ser fácil ser estuprada diversas vezes pelo próprio marido). Então, ver que ela era, na verdade, tão cruel quanto o marido, apesar de ter feito isso com uma "boa intenção", foi incrível. Minha reação foi a mesma de Annalise: ela não passaria por cima de seu senso moral apenas para ajudar uma mulher a destruir o marido, apesar de ter sido exatamente isso que ela fez com o Sam.

Sobre os natais dos personagens, eu adorei ver que Wes não consegue dormir e sofre com Rebecca pelo assassinato. Odeio tanto esses dois que quanto mais os dois sofrerem será melhor - rs #hater. Vimos que Connor parece estar tentando resolver as coisas com Oliver e passou o natal vendo Pássaros Feridos sob a promessa de "Não estamos juntos mas vem aqui e me beija". Gosto bastante dos dois e achei fofa a declaração de Oliver para ele, torço para que se resolvam. Já Michaela, coitada, só se ferra. A doida fez barraco na festa de fim de ano, ficou bêbada, acusou o noivo de estar saindo com um colega de trabalho na frente de todos, enfim, sua vida vai ladeira abaixo. Para piorar o noivado dos dois foi desfeito e ela agora usa um anel falso para fingir que está tudo bem e para que não desconfie que ela perdeu o real enquanto davam sumiço no corpo esquartejado de Sam. Mas sem dúvidas o melhor flashback de natal foi o de Laurel. Ela sambou tanto na cara da família que não satisfeita em fazê-lo em inglês, humilhou em espanhol também. Confesso que ela é de longe a minha estagiária favorita e gosto muito quando a mostram desse jeito.

A grande novidade do episódio foi a entrada da irmã de Sam, Hannah, interpretada magistralmente pela maravilhosa Marcia Gay Harden, que infernizou a vida de todos, principalmente de Annalise. As cenas envolvendo as duas foram um show a parte, principalmente a sequência em que Hannah segue Annalise até a casa de Nate, a questiona sobre o amante e Annalise não deixa barato e a convida para entrar ♥. As duas estão em constante guerra fria: Annalise por ser uma advogada brilhante que sabe ler as pessoas e Hannah por ser psicóloga e conseguir analisar cada passo da cunhada. Muita coisa boa ainda vai rolar entre essas duas e se depender da revelação BOMBÁSTICA que tivemos no fim do episódio, não irá demorar muito. 

E assim HTGAWMurder prossegue para o encerramento de sua, até aqui, magistral primeira temporada, nos apresentando uma trama sólida e muito bem desenvolvida e editada. Os roteiristas estão de parabéns por conseguirem renovar o fôlego da série e alimentar as histórias da mesma tensão dos episódios iniciais, mesmo sem os flashbacks. Agora que o corpo do Sam foi achado, mal posso esperar pra ver esse povo surtando tentando se livrar de um crime onde todas as evidências estão à disposição da polícia.

P.S.1: Saudades da Cheerleader pombagira a.k.a. dona da série;

P.S.2: Não dou um episódio pro anel da Michaela aparecer no meio dos restos mortais de Sam;

P.S.3: Adorei a peruca nova da Annalise.


Esta Review foi publicada originalmente por Darlan Generoso e divulgada
através da parceria entre os sites LoGGado e Seriecinebooks.
Séries 192096600491823672

Postar um comentário Comentários Disqus

Página inicial item