loggado
Carregando...

[Crítica] Branco Sai, Preto Fica

"Sem provas, não há passado."


"Sem provas, não há passado."

Há vários temas recorrentes no ousado e provocante Branco Sai, Preto Fica. A frase acima, porém, talvez seja a melhor síntese da violência física e simbólica que o segundo longa de Adirley Queirós faz questão de retratar de forma crua e simultânea, mas não inconciliavelmente, fantasiosa. Trabalhando com um visual esplendoroso e uma mensagem fortíssima, Branco Sai, Preto Fica é, possivelmente, um dos mais importantes filmes já feitos sobre segregação racial e social.

Branco Sai, Preto Fica cria suas imagens e sons a partir de duas histórias trágicas: dois homens negros, Marquim e Shockito, moradores da maior periferia de Brasília, ficam marcados para sempre graças a uma ação criminosa da polícia racista e territorialista da Capital Federal. Essa polícia invade um baile black. Tiros, correria e a consumação da tragédia: Marquim fica para sempre na cadeira de rodas, e Shockito perde a perna após um cavalo da polícia montada cair sobre ele. Um terceiro homem, Dimas Cravalanças, vem do futuro colher provas da opressão social que resultou nos ferimentos dos dois primeiros.

O filme é, acima de tudo, uma impactante crítica social e um refinadíssimo filme político. Adirley Queirós, porém, não se contenta em apenas expor e problematizar uma triste e infeliz realidade; logo na cena inicial, pré-créditos, Queirós nos entrega um dos melhores momentos do longa - quando Marquim, cadeirante, utiliza um curioso aparato tecnológico para descer as escadas de sua casa e, logo depois, narra emocionalmente em excruciantes detalhes os eventos da noite que mudou sua vida -, e, desde já, lança a pergunta: afinal, Branco Sai, Preto Fica é uma ficção científica ou um documentário? Com maestria, o filme flerta com ambos os gêneros, quebrando a barreira invisível imposta entre os extremos ficcionais e documentais.

Marquim e Shockito não são representados por atores, mas por eles mesmos; numa noite, em meados dos anos 1980, a polícia de fato invadiu um baile na região da Ceilândia, e, aos gritos, acabariam batizando este longa; somente agora, mais de trinta anos depois, podemos ouvir suas vítimas. Os maneirismos provenientes de documentários ficam claros diante dos recorrentes depoimentos, em forma de doloridos monólogos, e, em especial, numa cena, no terceiro ato, em que as três tramas concorrentes se entrelaçam, esclarecendo que os personagens são, na verdade, velhos conhecidos - cena esta belíssima pela sua naturalidade e pela carga de memórias e perdas escondida sob a superfície. Mas que fique claro: desde seu primeiro momento, o filme é uma encenação. "Documendrama"? Mais que isso. Branco Sai, Preto Fica desafia convenções de gênero, e, por isto, repito que este é possivelmente um dos mais importantes filmes, enfatizando a sétima arte, já feitos sobre o tema segregação.

A ficção científica se traduz na inventiva narrativa do longa como uma distopia das mais aterrorizantes, elevando a segregação e a repressão à máxima potência para tornar óbvio e inegável na tela o que muitos insistem em não ver aqui, no mundo real. A Brasília de Branco Sai, Preto Fica, provavelmente ambientada em 2014, é construída sob uma estética pós-apocalíptica desolada, num interessante trabalho misto entre a direção de arte de Denise Vieira, a fotografia de Leonardo Feliciano e a própria direção de Queirós, que, em sua proposta de utilizar cenários reais, se aproxima da Alphaville de Godard - mas enquanto esta construía uma sofisticada cidade futurista com base nas mais modernas arquiteturas de Paris, a Ceilândia de Branco Sai, Preto Fica ressalta o abandono e a devastação, com visuais paupérrimos de uma ruína.

De fato, deve-se aplaudir os esforços da produção para construir um mundo verdadeiramente distópico com base num orçamento limitadíssimo; as sequências da viagem no tempo, bem como a presença da tecnologia - seja a do ano 2014, já aparentemente mais avançada do que a nossa, seja a do ano 2073 - são extremamente interessantes, assim como os demais elementos sci-fi. O viajante do tempo, Dimas, serve não apenas de elemento necessário para a narrativa, como representa a figura do entrevistador, comum de um documentário, novamente pondo em questão a metalinguagem e a transgressão de barreiras propostas pelo filme. A dor dos personagens (e, por consequência, das pessoas reais por trás deles) é intrínseca a cada momento, seja nos depoimentos, teoricamente coletados por Dimas, seja em cenas comuns da narrativa, como a sequência em que Marquim dedica uma música aos amigos que nunca mais viu. Com toda sua crítica e reflexão, Branco Sai, Preto Fica ainda encontra tempo para exercícios de extrema emoção e sensibilidade.

Poderosíssimo e cheio de metáforas contundentes, Branco Sai, Preto Fica é um filme contemplativo, sóbrio e aterrorizante. Ainda que um pouco didático, o longa entrega uma forte e importantíssima meditação sobre repressão e resistência, sem esquecer de traçar um interessante jogo sobre o próprio cinema. Ao final, concluímos com tristeza e impotência que não é necessário esperar um futuro distante para testemunhar a violência e a opressão; a distopia já é hoje, de uma das mais horrendas formas possíveis.

Filmes 2012121092345237919

Postar um comentário Comentários Disqus

Página inicial item