loggado
Carregando...

[Review] Game of Thrones 5x09 - The Dance of Dragons

Uma crônica de gelo e fogo.


Uma crônica de gelo e fogo.

Se ainda restavam dúvidas sobre os motivos do imediatismo que moveu esta reta final do quinto ano de Game of Thrones, a penúltima hora da temporada veio para acabar com todas elas. A série entra num ritmo cada vez mais distante da obra original, mas sem abrir mão da essência catártica presente nos primeiros livros de George R.R. Martin. Assim, a dualidade elemental carregada pelo fogo da "última" Targaryen se choca de uma forma poética com o gelo no coração dos homens que tentam governar o seu reino natal. São os roteiristas dizendo que possuem uma agenda própria para a trama que querem contar, e não existe mais tempo a perder com os chiliques dos fãs xiitas (se é que tal preocupação um dia existiu). A história de David Benioff e D. B. Weiss encontrou o seu tom, porém a surpresa é que ele pouco faz referência às amarras literárias do texto de Martin, o que, sinceramente, figura como um elogio.

Por exemplo, Daenerys abre a arena de Daznak sem necessariamente precisar de um chato contraponto político, como um casamento com Hizdahr. Não precisamos de cenas longas que discutam a cultura brutal de Meereen, pois já sabemos o suficiente para deduzirmos o quão importante foi a decisão de acalmar a revolta civil na cidade, com "pão e circo".  Diferente das Crônicas, Tyrion também está lá e só a sua presença no magistral diálogo com o nobre de Meereen já justifica com louvor todas as alterações que foram feitas na jornada do anão.

Confesso que a sequência final só ganha importância durante os diálogos e depois da aparição de Drogon, afinal, o exército vergonha alheia da rainha é de baixar a cabeça. No entanto, ver o esforço de anos transformados no ataque do dragão, ao chamado sobrenatural da mãe, apaga todo e qualquer problema maior. Se a batalha de Durolar assombrou pelo escopo épico no episódio passado, a revolta de Drogon nos faz vibrar graças à escala redentora refletida na própria história de Dany. O "Valahd!" é o novo "Dracarys!", e o show nos faz voltar os olhos mais uma vez para a jovem órfã que há quatro anos era apenas uma moeda de troca usada pelo irmão mais velho.

A jornada de Arya e o fim da missão em Dorne (eu ouvi um 'aleluia'?!), talvez sejam os dois únicos plots, que não encontram tons convergentes aqui. A primeira pode até ser importante, por casualmente colocar um dos nomes da lista de Arya no seu caminho, mas tendo só a season finale pela frente dá para se notar que muito do treinamento na Casa do Preto e Branco ficará para o próximo ano. Já Dorne provavelmente não deve reaparecer num futuro, e a facilidade com a qual o acordo foi firmado pelo príncipe Doran só reforça o quão perdida esta trama pareceu. Vamos torcer para que a dupla Jaime e Bronn tenham algo mais válido do que invadir um lugar onde os habitantes parecem viver sob a tutela das frases de efeito.


Na segunda ponta de The Dance of Dragons, a ganância de Stannis nos apresenta um dos capítulos mais hediondos de Game of Thrones. Ao sacrificar a própria filha em nome do deus de Melisandre, o rei entra no mesmo patamar das criaturas mais odiosas de Westeros. Creio que os próximos passos de Stannis evocarão uma derrocada sombria, e que a sacerdotisa vermelha não terá muitas chances sem um apoio como o dele. Posso até estar sendo otimista demais - Cersei só veio a pagar pelos seus crimes agora -, mas é que não temos tempo e nem estômago de ver o triunfo de alguém tão desumano sob outros desumanos. Que a espada de dois gumes parta ambos os exércitos: Baratheon e Bolton.

Apenas Jon Snow é o que resta de esperança para o norte. O rei corvo é o último homem bom no meio do inverno, e a imprevisibilidade que moveu essas duas últimas horas me faz torcer por uma reviravolta que o coloque como um chefe a ser temido e respeitado, pelos próprios méritos. E se a Patrulha não o aceitar, é chegada a hora de tomar a frente como verdadeiro protetor do reino dos homens, e Jon sabe muito bem do quê protege-los. 

Com o baile chegando ao grand finale, apostas sobre os vencedores dessa disputa já começam a pipocar. Nem todos viverão para ver os seus últimos movimentos - a doce Shireen Baratheon não viveu -, porém, nós estaremos aqui prontos para dançar com dragões, gigantes, white walkers e, claro, jogar um pouco mais pelo trono de ferro.

Reviews 8739561148185444435

Postar um comentário Comentários Disqus

Página inicial item