loggado
Carregando...

[Review] Supergirl 1x02 - Stronger Together


A série da Supergirl começou da maneira que todos esperavam: uma história de origem onde a personagem principal está descobrindo suas habilidades e cometendo erros no processo. Não é diferente do que vimos em The Flash, mas parece que dessa vez não teremos que esperar tanto para que as cosias comecem a ficar interessantes.

Se olharmos com atenção, praticamente todas as séries que se baseiam nos personagens da Marvel ou da DC tiveram um começo lento. Com exceção de Demolidor, nós tivemos que acompanhar episódios iniciais que iam desde simplesmente chatos e desinteressantes (os primeiros de Arrow e The Flash) a séries que sofreram com episódios muito ruins até fazerem uma reviravolta incrível no fim (Agents of S.H.I.E.L.D. e Gotham). Depois de tudo isso, parece que os produtores aprenderam algumas lições. E ainda que este segundo episódio de Supergirl não tenha sido fantástico, ele mostrou que não é por se tratar de um herói no início da carreira que as coisas precisam ser chatas.

Mas é óbvio que a série ainda está no começo e, por isso, tem certa propensão a cometer erros. A luta entre Kara e Astra foi um ótimo exemplo disso: com uma coreografia ruim e erros visíveis desde a luta no chão até a vergonha alheia que foi o momento em que elas trocaram socos enquanto voavam. Outro exemplo de problema foi a cena na qual eles descobriram que o alienígena se alimentava de produtos químicos. Tudo ali soou extremamente forçado e artificial, e que me desculpe o ator interpretando o agente que foi dar a notícia para a irmã da garota de aço, mas ele não deve ganhar nenhum Emmy por sua atuação neste episódio.


Apesar desses problemas, o resto do episódio teve um saldo positivo bem grande, com destaque para os efeitos especiais. Se a luta aérea foi feia, todo o resto ficou bem bonito. Todas as vezes em que os efeitos especiais precisaram ser usados, eles deram certo. E não tem exemplo melhor do que o choque entre as visões de calor das kryptonianas, esse momento foi bom demais. Outra cena muito boa, dessa vez relaciona à coreografia de luta e não aos efeitos, foi o treinamento entre Kara e sua irmã. É até estranho ver uma cena tão bem construída no mesmo episódio daquela citada anteriormente, mas pelo menos isso mostra um potencial para acertar, o que é muito bom em um começo de série.

Mesmo com esses pontos positivos na produção existe algo que não pode ser negado: a garota de aço é o maior acerto da série. Melissa Benoist está muito boa no papel e consegue ser convincente em todos os momentos, desde as cenas mais dramáticas até aquelas mais descontraídas. Aliás, as cenas de alívio cômico vêm sendo muito boas até aqui, parece que os roteiristas já encontraram a quantidade certa de comédia que podem colocar na série. E melhor ainda: já sabem em quais momentos isso deve acontecer. Outro acerto grande na parte dos personagens é a chefe da Kara, Cat Grant. No piloto ela já foi muito boa, mas neste episódio ela mostrou que não está lá só representando o estereótipo de chefe chato, mas sim para contribuir com o andamento da série. Mais Cat na série, por favor.

Com um episódio mais interessante que o piloto, momentos engraçados na medida certa e algumas cenas muito bem construídas, Supergirl parece ser uma boa pedida para quem quer uma série de herói não tão dark e intensa como algumas atuais. Só falta diminuírem um pouco o drama de novela mexicana para decolar de vez.

Supergirl 2006137561958784515

Postar um comentário Comentários Disqus

Página inicial item